domingo, 18 de maio de 2014

Sem avanço das reivindicações, taxistas dizem que não vão cruzar os braços

Nesta segunda-feira (19), está marcada reunião em Maceió com a categoria

Taxistas devem discutir, durante reunião nesta segunda-feira (19), formas de mobilização contra a fiscalização e apreensão de veículos pela Agência Reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal). Os trabalhadores dizem que não vão cruzar os braços e prometem radicalizar, caso as reivindicações não sejam atendidas.

O local do encontro será a sede do Sindicato dos Taxistas de Alagoas, em Maceió, onde os trabalhadores vão decidir como dar andamento a mobilizações para chamar a atenção do governo estadual, que acusam de abandonar a classe. “A gente precisa fazer alguma coisa. Não podemos ficar de braços cruzados, o governador não pode deixar a gente dessa forma”, declarou Ivanildo Martins, presidente da Associação dos Taxistas de Arapiraca.

Eles não descartam o fechamento do Porto de Maceió e até do Aeroporto Zumbi dos Palmares, caso a Arsal mantenha a fiscalização na capital e interior, com apreensão de veículos. Na última sexta-feira (16), os taxistas fizeram uma carreata da parte alta de Maceió até o Palácio República dos Palmares, no Centro e depois discutiram a situação no sindicato.

Os trabalhadores alegam que não têm mais como pagar as contas e alguns estão passando porque não conseguem trabalhar, trazendo passageiros para a capital, porque acabam com o veículo apreendido.

Os taxistas reclamam que são impedidos de trabalhar e que muitas apreensões de veículos estão sendo executadas de forma irregular. A determinação da Arsal, que garante a legalidade das fiscalizações, é a de que os passageiros que saem do interior para a capital em um táxi devem ser os mesmos a voltarem no veículo.

18/05/2014 13h47

Gazetaweb

Fonte:

.