sexta-feira, 28 de junho de 2013

Taxistas de AL denunciam agente da Arsal por ameaça e porte de arma

Fiscal foi preso após militares revistarem veículo na rodovia AL-413.

Ele teria apontado a pistola contra um homem durante confusão em blitz.


Taxistas dizem que militares sabiam que agente da Arsal estava armado (Foto: Michelle Farias/G1)

Um grupo de taxistas que faz transporte alternativo no Litoral Norte de Alagoas denunciou que um agente de fiscalização da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas (Arsal) estava fazendo blitz na AL-413, no município de São Luís do Quitunde, armado com uma pistola bereta. Ele foi interceptado por policiais militares que localizaram a arma no veículo de fiscalização e o prenderam por porte ilegal.

Segundo os taxistas, o agente de fiscalização identificado como Roberto Gomes havia mostrado a arma e ameaçado atirar contra um condutor que fazia transporte alternativo na quarta-feira (26). "Eles não podem andar armados. Se ele estava com uma arma tinha má intenção", criticou o taxista Gersivan Santos ao relatar que no dia da confusão o fiscal aparentava nervorsismo ao apontar a arma para um dos taxistas.

Reconhecido nesta sexta-feira (28) pelos taxistas que trafegam pela região Norte, Roberto Gomes foi denunciado e revistado por policiais militares, que encontraram a arma. Encaminhado para Central de Flagrantes, em Maceió, ele prestou depoimento acompanhado da assessoria jurídica da Arsal.


Agente foi detido com uma bereta calibre 765, não municiada (Foto: Michelle Farias/G1)

"O mais sério é que os fiscais da Arsal sempre fazem blitz acompanhados por militares do Batalhão da Polícia Militar Rodoviária (BPRV). Este militares sabiam que este agente andava armado e eram coniventes com erro", disse um dos taxistas na Central de Flagrantes.

De acordo com a chefe de operações, Zenia Oliveira, o suspeito foi ouvido pela delegada Cássia Mabel. Caso ele não tenha antecendentes criminais, o crime pode ser afiançável.

Por telefone a assessoria de comunicação da Arsal disse que o órgão vai apurar o caso, para só depois definir algum procedimento de punição para o agente de fiscalização.

28/06/2013 19h05 - Atualizado em 28/06/2013 19h41

Do G1 AL
Fonte:

.