quarta-feira, 18 de maio de 2011

Taxistas reclamam de multas do INMEQ/AL


Mesmo admitindo que os manifestantes são retardatários, e portanto sujeitos à sanção imposta, o Sindicato dos Taxistas de Alagoas (Sintaxi/AL) vai fazer a defesa de seus filiados para tentar impedir que sejam multados pelo Instituto de Metrologia e Qualidade do Estado de Alagoas (Inmeq). A sede do órgão, no Tabuleiro do Martins, foi palco do protesto de um grupo de taxistas, que reclamavam de notificação imposta pelo instituto.

 Os manifestantes deixaram de atender ao prazo previamente divulgado para aferição do taxímetro. Depois de um aumento de 11,5% no valor da tarifa, todos os veículos tiveram que passar pelo instituto para aferição do novo preço. “Os companheiros estavam sendo obrigados a assinar a notificação, por isso reclamaram”, diz o presidente do Sintaxi, Ubiraci Correa.

Segundo ele, cerca de cem taxistas perderam o prazo que terminou na ultima segunda feira, para comparecer ao INMEQ. O mais grave é que não justificaram o não comparecimento. “Aqueles que apresentaram justificativa foram advertidos e puderam aferir seus veículos normalmente”, disse o gerente de qualidade do instituto, Jose Padilha dos Santos.

Os que não justificaram também fazem esta aferição, mas terão que responder pelo descumprimento da portaria. O temor dos taxistas, explica Ubiraci, é que sejam multados, pois o valor dessa penalidade é considerado alto. “A multa é de um salário mínimo”, afirma o presidente do SINTAXI.

O gerente do INMEQ ressalta que a notificação pode ou não resultar em multa. “Aqueles que foram notificados podem apresentar defesa, que será analisada pelo setor jurídico”, diz Padilha.

O impasse foi superado e, mesmo sem assinar a notificação de penalidade, os taxistas retardatários terão de responder pelo descumprimento do prazo.


| BLEINE OLIVEIRA – Repórter

18 de maio de 2011 |

Todos os direitos reservados ao Jornal Gazeta de Alagoas
.