quinta-feira, 2 de junho de 2016

Taxistas reagem a projeto de lei que quer legalizar 'clandestinos' em Maceió

MACEIÓ

Profissionais argumentam que não podem ficar no prejuízo porque pagam taxas para a Prefeitura 


Taxistas realizam ato na porta da Câmara de Maceió

Taxistas que são autorizados pela Prefeitura de Maceió e pagam impostos como permissionários realizaram, na tarde desta quinta-feira (2), um ato contra o projeto de lei de autoria do vereador Silvano Barbosa (PMDB) que visa à regulamentação dos chamados "clandestinos" que atuam na capital transportando passageiros. A matéria é alvo de questionamentos na Câmara de Maceió e encontra resistência de grande parte dos vereadores.

O tema voltou à discussão após um intenso debate entre os vereadores Silvano Barbosa e Chico Filho (PP). Na sessão dessa quarta-feira, Barbosa pediu a discussão e aprovação da matéria. Por sua vez, Chico Filho alertou para os vícios de finalidade da proposta e alertou que centenas de profissionais que pagam impostos dependem dos táxis para sobreviver. Os taxistas pretendem realizar uma série de mobilizações contra a aprovação da proposta.

"Nosso trabalho é prejudicado quando entram esses transportes clandestinos. É como ratear um bolo, diminuindo a demanda. Porém, nós temos registro e pagamos todas as taxas normatizadas pela Prefeitura de Maceió. O número que tem em nossa porta é como CPF, que mostra todos os nossos dados. E estes que não têm? Se for pra dar algum benefício, têm que beneficiar os taxistas também. O ato de hoje tem como foco pedir uma resposta do presidente da Câmara para essa questão", informou o taxista Sérgio Veloso.

O vereador Chico Filho reforçou a necessidade de a proposta em questão ser debatida de forma ampla pela Câmara de Maceió. "A questão não é só regularizar os carros. Mas o que será oferecido para os taxistas como contrapartida? Eles são trabalhadores também e lutam pelos seus direitos. Hoje, Maceió têm 3 mil táxis e muitos passam dificuldade. E se esses clandestinos forem regularizados, qual será o critério para isso? São vários pontos em aberto. Isso tem que ser visto no projeto. Hoje não está prevista uma discussão sobre essa pauta na casa", colocou Chico Filho.

O autor da proposta explicou que a medida se faz necessária diante da precariedade do transporte que hoje é oferecido pela população de Maceió. "Muitas pessoas que moram em locais como Conjunto Carminha, Parque das Américas, Santos Dumont, caso queiram sair de casa às 22h não podem por falta de transporte. Essas pessoas não podem pagar táxi. Nosso objetivo é regulamentar estes transportes alternativos para que eles cheguem onde não há oferta", informou o vereador Barbosa.

O presidente da Câmara, vereador Kelmann Vieira (PSDB), lamentou o que ocorreu durante a sessão ordinária na última quarta-feira (1º) e tranquilizou os taxistas quanto a tramitação dos projetos. "Digo a vocês que saiam tranquilos daqui porque nós vamos analisar os projetos com seriedade e compromisso. É muito importante que todos estejam aqui no dia da audiência pública para discutir e expor suas dificuldades e ideias", afirmou ele.

No próximo dia 20 deste, o Poder Legislativo municipal vai promover um amplo debate sobre o transporte alternativo, com a participação de diversos setores e representantes do Poder Executivo.

Por Pedro Ferro | Portal Gazetaweb.com    

02/06/2016 15h17 - Atualizada às 02/06/2016 22h04

.