segunda-feira, 14 de abril de 2014

Sem avanço nas reivindicações, taxistas prometem novo protesto nesta terça

Categoria reclama de medidas adotadas por agência reguladora


Protesto complicou trânsito no Centro (Foto: Gazetaweb)

No Centro, eles se concentraram em frente à Arsal, pedindo reunião com o governo

Os maceioenses devem enfrentar mais transtornos no trânsito nesta terça-feira (15), com um novo protesto de taxistas, que prometem mobilização durante toda esta semana, até que o governo do Estado atenda as reivindicações da categoria. A previsão é a de que, no início da manhã, profissionais da capital e do interior cheguem à capital para a realização de ato que mais uma vez deve fechar ruas.

Segundo o presidente do Sindicato dos Taxistas de Alagoas (Sintáxi), Ubiraci Correia, o grupo deve se reunir ainda cedo, na sede da entidade que representa a categoria, no Farol. “Tivemos uma reunião no gabinete civil, mas não conseguimos avançar. Por isso, amanhã, voltaremos às ruas e faremos novo protesto até que o governador resolva nossa situação”, afirmou Correia.

O presidente do Sintáxi alega que a Agência Reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal) faz exigências aos profissionais. “Agora, além dessa questão dos passageiros, a gente tem de fazer um cadastro, pagando pelos talões com os nomes dos passageiros. Esta Arsal não tem mais o que inventar. A gente precisa trabalhar, mas não estão deixando”, disse Ubiraci Correia.

Segundo o sindicato, somente nesta segunda-feira (14), seis veículos foram apreendidos durante operação da Arsal. Hoje, os taxistas que atuam em Maceió e no interior bloquearam vias, deixando o trânsito lento no centro da capital e na parte alta da cidade. Eles protestam contra as medidas adotadas pela Arsal e que estariam prejudicando a categoria.

A entidade denuncia que a Arsal voltou a apreender veículos porque os condutores estariam trazendo passageiros das cidades do interior para a capital de forma irregular. Além disso, a agência reguladora, segundo o Sintaxi, implantou um novo sistema que obriga os taxistas a adquirirem um talão para fazer o controle do transporte. Inconformados, eles decidiram fechar trecho da Rua Cincinato Pinto, no Centro, e da Avenida Durval de Góes Monteiro.

Segundo a Arsal, os táxis só podem transportar passageiros de um município para outro em caso de fretamento autorizado pela agência. Nesse caso, o taxista pode conduzir passageiros entre as cidades, desde que volte ao município de origem com o mesmo grupo de pessoas que trouxe, com parte deste grupo ou sozinho.


14/04/2014 17h41

Regina Carvalho

Fonte:

.